Emojis e suas carinhas expressivas alertam contram maus tratos às crianças na Suécia

Atualmente os emojis são as carinhas mais expressivas que existem para se comunicar na internet. Com mais de 700 tipos disponíveis, é possível de maneira simples e carismática expressar o que se está sentindo naquele momento, em uma conversa online.

emotions

Pensando neste sucesso e o fácil entendimento que os emojis proporcionam, um programa de ensino infantil na Suécia lançou este ano um conjunto de emojis que tem como objetivo alertar os adultos sobre maus tratos que uma criança pode estar se submetendo. Esses “emojis machucados” mostram crianças sendo abusadas física e verbalmente com o intuito de que sejam usados por essas jovens vítimas para se comunicarem, quando lhes faltam palavras para expressar tamanho sofrimento.

O grupo sem fins lucrativos, o BRIS, que ajuda crianças e adolescentes em situação de risco e chancela o projeto, comenta que a complexa realidade desses jovens, deve ser igualmente expressada por um conjunto de símbolos complexos, que farão com que a mensagem chegue a ser mais facilmente “falada” pelas crianças e entendidapelos adultos que possam de fato ajudá-las.

Fonte: Adweek
Por Karina Giardelli e Ana Talavera

“Meninos nascem, ou se tornam machistas?” Eis a questão!

Nas últimas semanas um vídeo tocou muitos corações. Tratava-se do resultado registrado em vídeo de um experimento realizado pela Fanpage.it para medir e desvendar: “Meninos nascem, ou se tornam machistas?” 

Fui convidada a assistir e colocar aqui, a impressão que tive ao ver o vídeo. Você já assistiu? Espia aqui, para ver se faz sentido o que vou contar:

Logo que terminei, a primeira coisa que me impressionou, foram as RESPOSTAS dos garotos para o comando dado pelo entrevistador para que eles batessem na mocinha. Os 5 garotos se NEGARAM a bater.

Quando perguntado “porque não?”, eles deram respostas SIMPLES:
. “Porque ela é uma menina, eu não posso fazer isso.”

. ” Você não está supondo que eu vá bater numa garota…”
. “Eu não quero machucá-la.”
.” Jesus não quer que batamos nos outros.”
.” Primeiro de tudo, eu não posso porque ela é bonita, e ela é uma menina.”
.”Porque eu sou contra a violência.”

.”Como diz o ditado “meninas não devem ser atingidas nem com uma flor. Ou um buque de flores! ”
.”Porque é ruim.”
.”Porque? Porque eu sou homem.”

Isso é muito importante. Garotos de 11, 9, 8, 7 anos, mostrando que sabem (e muito bem), como deve ser o diálogo, as trocas, e interações entre as pessoas. Sabendo que não há porque agredir uma GAROTA! 

E que agressão (da natureza e espécie que for!!!) não faz sentido!

No experimento, o propósito era evidenciar que machismo não vem de berço. É provável, que isso seja assimilado como ‘natural’ a partir dos exemplos que as crianças são expostas durante o crescimento.

É como se ouve dizer “Faça o que eu digo, não o que eu faço.” Exemplos são repetidos, replicados, então é importante que façamos nossa parte. Em casa, principalmente.

Indo mais além do propósito do experimento, essa é a reflexão que pensei em resgatar e trazer para cá: Como nos comportamos diante das nossas crianças?

Educar, vai muito além dos livros didáticos, dos conceitos assimilados e adquiridos nos colégios. Educar, é ensinar com amor e paciência, muitas vezes através dos exemplos que damos no relacionamento diário. No tom de voz, na expressão corporal.

Ninguém, obviamente é um robô, isento de reações explosivas e repentinas, mas esses comportamentos precisam ser notados e alinhados com aquilo que queremos que nossos filhos espelhem no futuro.

Vale a pena, essas nossas crianças são o futuro. Nós, somos quem plantamos, para que a colheita no tempo adulto seja próspera. Vamos dar o exemplo? ❤

Por Tatti Maeda | @kittytatti | Social Media Emotion

Criatividade em movimento: um projeto que educa e diverte crianças e adolescentes por todo Brasil dentro de um ônibus.

O Buzum é um pequeno teatro ambulante que vai até escolas, creches e onde mais houver pessoas que queiram aprender e se divertir com a magia das histórias contadas por simpáticos bonecos.

A ideia deste projeto, além de entreter o público, é também educar, trazendo temas que podem estar relacionados com a língua portuguesa, a preservação do meio ambiente e algo mais voltado para os adolescentes, como a intolerância entre os jovens no ambiente escolar.

Este trabalho realizado por Beto, Jackson e Mariane, diretores do Buzum, promove um verdadeiro movimento cultural e social pelas cidades onde passam, dando oportunidade às pessoas que nunca iriam ao teatro, se não fosse um dos grandes diferenciais do projeto: a mobilidade, que permite uma estrutura completa de um teatro alocado em um ônibus, alcance cidades com praticamente nenhum acesso a este tipo de atração.

Em 2013 o Buzum passou por várias cidades pelo Brasil e se você quiser conhecer mais sobre esse projeto e tê-los em sua cidade em 2014, dê uma passadinha no site ou na Fã Page desses criativos que levam alegria e conhecimento para tanta gente! Esse é o espírito Criativos do Bem! 😉

Por Karina Giardelli